Psicóloga em Porto Alegre Madalena Leite
  • Madalena Leite

O que acontece quando não olhamos para nossa sexualidade?

Você se sente confortável em falar sobre sexualidade? Uma grande parte das pessoas não. Mesmo sendo uma área importante da vida, ela é cercada de vários tabus e poucas pessoas conseguem falar com naturalidade sobre. Rola uma piada aqui, um exagero ali, ou até um achismo baseado na própria experiência…


Mas será é que realmente necessário falar sobre sexo?

Talvez você ache que sexo é algo natural, que todo mundo nasce sabendo, que é algo que se aprende na prática e não é preciso explicar. Mas é justamente por essa ideia que a sexualidade é um tema tão recheado de distorções. Ninguém fala sobre e se baseia na sua experiência ou na do primo para chegar a conclusões sobre o que é normal.



Precisamos falar sobre sexo e sexualidade

Ao abrirmos uma janela para pensar sobre sexo e sexualidade sem julgamentos e com fontes sérias e científicas podemos descobrir como vivenciar uma sexualidade feliz, leve, prazeirosa e sem culpa. A informação é a maior aliada. Desde 1950, se fazem pesquisas sobre sexualidade humana, ou seja, existe muita informação de qualidade desde que você esteja disposto a buscar.

Quando não abrimos espaço para refletir sobre a nossa experiência sexual, damos margem para o desenvolvimento de dificuldades sexuais, como disfunções sexuais, inadequações sexuais e parafilias.


Inadequações sexuais

Inadequações sexuais são desconfortos com questões sexuais que não são patológicas por si só, mas só precisam ser ajustadas. Por exemplo, uma pessoa pode ter uma inadequação sexual ao não se sentir confortável com a frequência sexual ou achar estranho ter alguma fantasia.


Disfunções sexuais

Uma disfunção sexual é um problema na função sexual - o que deveria estar funcionando bem e não está. Entre as femininas, nós temos Transtorno da Dor Gênito Pélvica/Penetração (sentir dor na penetração), Vaginismo (contração involuntária da vagina não permitindo penetração), Transtorno do Orgasmo Feminino (dificuldade de atingir o orgasmo) e Transtorno do Interesse/Excitação Sexual Feminino (baixo desejo sexual, baixa sensibilidade vaginal ou baixa lubrificação). Entre as masculinas temos Ejaculação Retardada (demora para ejacular), Transtorno Erétil (perda de ereção), Transtorno do Desejo Masculino Hipoativo (baixo desejo sexual), Ejaculação prematura (precoce).


Parafilia

Uma parafilia é a preferência sexual por atividades anormais, que envolvam dor e sofrimento ou com alvo anômalo. É diferente de um fetiche por acarretar sofrimento ou prejuízo para o indivíduo. Entre elas estão a pedofilia, a zoofilia, o Transtorno Voyerista (espiar os outros em atividades privadas), o Transtorno Exibicionista (expor os genitais), o Transtorno Frotteurista (tocar ou se esfregar em indivíduos que não consentiram), o Masoquismo (passar humilhação, submissão ou sofrimento), o Transtorno Fetichista (usar objetos inanimados para fins sexuais ou foco excessivo em outras áreas do corpo não genitais - ex. pés), entre outros.


Ou seja…

Conversar com um profissional sexólogo ou terapeuta sexual é uma forma de prevenir e tratar dificuldades sexuais. Outros profissionais, desde que com formação adequada, também podem auxiliar nessa questão, como psicólogos, ginecologistas e urologistas. Busque o seu.

18 visualizações0 comentário